Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

Êxtase inicial

Os êxtases iniciais (do processo de retomada da Perene Consciência Amorosa) dão o primeiro impulso essencial, que, em muitos casos, deve ser suficiente para a vida toda. A lembrança do estado de bem-aventurança traz conforto para a vida toda. A lembrança do estado de bem-aventurança traz conforto para o aprendiz em tempos difíceis, permitindo que ele permaneça incólume aos golpes do destino. 

Essa circunstância é bem conhecida de todos os que entram no Caminho. Eu a experimentei anos entes de encontrar o Mestre em seu corpo físico, ou seja, antes de receber o Darshan permanente (a benção da presença divina). Esse êxtase geralmente vinha de modo inesperado, e não quando se queria tê-lo. Spiritus flat ubi vult (O Espírito sopra onde quer) permanece um axioma correto no domínio da busca espiritual. 

Em algumas noites, enquanto estive viajando longas distâncias de ônibus na distante América do Sul, esse deslumbramento interior acontecia espontaneamente, trazendo uma paz além de tudo, uma bem-aventurança sem limites. A consciência normal não era de modo algum obscurecida, e não havia visões: essa era a melhor prova da realidade desses relances da Supraconsciência, segundo o Mestre Maharshi ensinava. Duravam de cinco a quinze minutos, raramente mais que isso. Influenciavam não apenas quem passava pela experiência, mas também o ambiente, de maneira verdadeiramente mística. Em Dias de Grande Paz, Capítulo XLV, lemos: 

"É interessante notar que esse estado tem sua própria frequência vibratória, extremamente sutil e poderosa. Influencia o nosso ambiente; podemos facilmente observar o seu efeito sobre as pessoas quando experimentamos em nós mesmos esse estado, embora imperfeitamente. Quando estamos bem no limiar do alvorecer do Samadhi e então falamos a outras pessoas; ou no momento preciso quando emergimos do ocaso do Samadhi, podemos verificar que as pessoas — talvez inconscientemente — se portam de modo diferente e se dirigem a nós em outro tom que não o usual, ainda que exteriormente elas não possam ver nada a não ser nossas pessoas comuns, 'normais'... Mas, cada um tem o seu próprio Samadhi bem no fundo do coração, em estado latente, que um dia se revelará. Assim, esse germe 'dormente' do espírito responde às vibrações do espírito acordado."

Esse é o início... Deste momento em diante, sempre viveremos como se estivéssemos continuamente diante de encruzilhadas. Não nos deixemos confundir quanto ao significado destas palavras. Elas querem dizer que o discípulo, embora conheça a superioridade absoluta da consciência espiritual e imaterial que há em si mesmo, estará exposto ao constante confronto com elementos cármicos da sua encarnação atual, o que aparentemente provoca desapontamentos e amarguras e, às vezes, chega a levá-lo ao desespero. Mas em vão! O Caminho verdadeiro não pode ser perdido. Ele pode ser ofuscado, se formos insensatos demais e permitirmos que a miragem do mundo visível e sensorial exerça supremacia. Mas, no final, o filho errante voltará a seu pai espiritual, como foi maravilhosamente descrito por Cristo e explicado por Maharshi: "Quem um dia entrar no Caminho não mais poderá perdê-lo, assim como à caça que cai nas presas do tigre não será dado escapar". 

Gostaria de recordar isso a todos que estão lutando nas encruzilhadas da Realização, para recobrem a paz, quando ouvirem as palavras dos Mestres. 

Nesse período, o homem se defrontará com as circunstâncias mais incomuns. Seu ambiente imediato poderá tornar-se hostil devido à sua nova atitude, que o levará a negligenciar certos aspectos da vida mundana; os amigos poderão traí-lo e os homens poderão desprezá-lo sem nenhuma razão aparente. Mas saiba, ó discípulo! O Príncipe deste mundo não perdoa àqueles que tentam escapar de seu poder. Devemos enfrentá-lo e vencer, ou decair por um período de tempo conhecido como "eclipse espiritual".

(...) Se a mente, como ocorre com a maioria de nós, estiver apenas temporariamente dominada e compelida ao silêncio, ela voltará às suas atividades anteriores, já que o poder interior desse homem não é suficiente para o abandono de tudo que é relativo, incluindo o interesse por essas questões (retomada da Perene Consciência), tal como um avião, que só pode permanecer no ar enquanto tiver combustível suficiente.

Aqueles que experimentaram o Samadhi sabem que as palavras do Mestre são verdadeiras em toda a sua simplicidade. Após estarmos no Samadhi por alguns minutos (às vezes até mesmo por horas), somos compelidos a voltar. Há um poder que ordena esse retorno, e nada pode resistir a ele. Só posso recomendar-lhe que leiam as obras de Sri Ramana Maharshi nas traduções inglesas originais, que podem ser encomendadas ao seu antigo Ashram em Tiruvannamalai, no Sul da Índia.

(...) É imprevisível o momento em que o aspirante perceberá os primeiros raios de Sol do Samadhi. Nossas investigações e experimentos sobre essa questão parecem ser negativos. Queremos dizer que as condições externas observáveis por nós parecem não ter nenhuma influência nas manifestações espirituais. Em termos lógicos, os momentos de iluminação deveriam seguir os períodos de meditação bem-sucedidos, mas não é assim, e a afirmação de que um bom estado geral de saúde pode incentivá-lo também não está suficientemente confirmada para ser citada. Às vezes, Ele acontece quando seu corpo está definitivamente se sentindo abatido!

É evidente que a maturidade interior está acima de todas as condições prováveis em que possamos ocasionalmente nos encontrar. Estou comparando as primeiras manifestações da Supra-consciência na consciência humana com o Nascer do Sol. Isso porque elas são como uma Luz ascendente, transcendental e penetrante no homem. Essa Luz não pode ser percebida com os olhos ou com qualquer outro sentido. (...) Os Sol está sempre brilhando no horizonte espiritual, mas os olhos comuns não O veem, pois estão olhando apenas para os seus objetivos e interesses perecíveis inferiores, em seu lampejo de existência terrestre.

Uma olhada, mesmo momentânea, para o alto é o alargamento do nosso horizonte geralmente estreito da existência-ego.

Mouni Sadhu - Samadhi: A Supraconsciência do Futuro

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey