Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

O Paradigma Holotrópico é fogo que queima

O Yoga ao é mais perigoso para os povos do Ocidente do que o é para os do Oriente. Tudo depende do espírito com que você se aproxima dele. O Yoga torna-se realmente perigoso se você o quiser para seu próprio benefício, para servir a um fim pessoal. Ele não é perigoso, ao contrário, é mesmo a segurança e certeza se você vier para ele com o sentimento de sua santidade, lembrando-se sempre que o objetivo é de encontrar o Divino.

Perigos e dificuldades surgem quando as pessoas praticam o Yoga, não por amor ao Divino, mas, porque querem adquirir poder e sob o disfarce do Yoga, buscam satisfazer alguma ambição. Se você não pode se livrar da ambição, NÃO TOQUE A COISA. É FOGO QUE QUEIMA.

Há dois caminhos do Yoga, o da “disciplina” e o da entrega. O caminho da “disciplina” é árduo. Nele, você confia somente em si mesmo, você avança por sua própria força. Você se eleva e realiza na exata medida de sua força. Existe sempre o perigo de cair. E se você cair, você se despedaça no abismo e dificilmente há remédio. O outro caminho, o caminho da entrega, é seguro e infalível. É aqui entretanto que os ocidentais encontram dificuldades. Eles foram ensinados a temer e evitar tudo que ameace sua independência pessoal. Absorveram com o leite de suas mães o senso de individualidade. E entrega significa abandonar tudo isso. Em outras palavras, você pode seguir, como Ramakrishna diz, ou o caminho do macaquinho ou o do gatinho. O macaquinho agarra-se à mãe para ser transportado e deve segurar-se firme, porque, se afrouxar a mão, ele cai. De outro lado, o gatinho não se agarra à mãe, mas é segurando pela mãe e não sente medo nem responsabilidade; não tem nada a fazer senão deixar-se levar pela mãe e gritar: mã, mã.

Se você adotar este caminho da entrega com toda a sinceridade, não há mais perigo ou dificuldade séria. O essencial é ser sincero. Se você não for sincero, NÃO COMECE O YOGA. Se você estivesse lidando com assuntos humanos, então você poderia recorrer à farsa; mas em suas relações com o Divino não há possibilidade de impostura em lugar algum. Você pode avançar no Caminho em segurança se você for cândido e aberto até o âmago de seu ser e se a única finalidade for realizar e alcançar o Divino e ser guiado pelo Divino.

Existe um outro perigo; é com relação aos impulsos sexuais. O Yoga, em seu processo de purificação, vai desnudar e expulsar todos os impulsos e desejos escondidos em você. E você deve aprender a não esconder nada ou deixá-los de lado, você deve enfrentá-los e conquistá-los e remodelá-los. O primeiro efeito do Yoga, contudo, é retirar o controle mental, e os desejos ardentes que jazem adormecidos são subitamente postos em liberdade, precipitam-se e invadem o ser. Enquanto este controle mental não tiver sido substituído pelo controle Divino, há um período de transição, quando a sua sinceridade e entrega serão submetidas a um teste. A força destes impulsos, como os do sexo, decorre geralmente do fato de que as pessoas lhes dão demasiada importância. Elas protestam violentamente contra eles e esforçam para controlá-los por coerção, reprimem-nos dentro e sentam-se sobre eles. Mas quanto mais você pensar numa coisa e disser: “Não quero isto, não quero isto”, tanto mais se prende a ela. O que você deveria fazer é afastá-la de si, dissociar-se dela, dar-lhe a mínima importância possível e, se acontecer de pensar nela, ficar indiferente e despreocupado.

Os impulsos e desejos que sobem pela pressão do Yoga devem ser encarados com um espírito de desprendimento e serenidade, como alguma coisa estranha a você ou pertencente ao mundo exterior. Eles deveriam ser oferecidos ao Divino, para que o Divino os tomasse e os transmutasse.

Se você se abriu algum dia ao Divino, se o poder do Divino começou a descer em você e ainda assim você se obstina em se apegar às forças antigas, você está preparando problemas, dificuldades e perigos para si mesmo. Você deve ser vigilante e compreender que não pode servir-se do Divino como uma capa para a satisfação de seus desejos. Há muitos que se intitulam Mestres, que não fazem outra coisa. Então, quando você abandona o caminho reto e tem um pouco de conhecimento e não muito poder, você é agarrado por seres e entidades de um certo tipo que o transformam num instrumento cego em suas mãos e terminam por devorá-lo. Sempre que há fingimento, há perigo; você não pode enganar a Deus. Não se achegue a Deus dizendo: “Quero união com você” e no coração pensado “Quero poderes e prazeres”. CUIDADO! Você está se encaminhando direto para a beira do precipício. E, no entanto, é tão fácil evitar toda a catástrofe. Torne-se como uma criança, entregue-se à Mãe, deixe-a carregá-lo e não há mais perigo para você.

Isto não significa que você não tenha que enfrentar outras espécies de dificuldades ou que não tenha que lutar ou vencer outros obstáculos. A entrega não assegura um progresso suave, tranquilo e contínuo. E isto porque seu ser ainda não está unificado, nem sua entrega absoluta é completa. Apenas uma parte sua se entrega; e hoje é uma e no dia seguinte é outra. O propósito total do Yoga é reunir todas as partes divergentes do ser e forjá-las numa unidade indivisível. Até lá você não pode esperar ficar sem dificuldades — dificuldades como por exemplo, a dúvida, a depressão ou a hesitação. O mundo inteiro está cheio de veneno. Você o absorve em cada respiração. Se você trocar algumas palavras com um homem indesejável ou mesmo se este homem meramente passar por você, você pode apanhar o contágio dele. E suficiente que você chegue perto de um lugar onde exista praga para ser infetado pelo seu veneno; você não precisa saber, de forma alguma, que a praga está lá. Você pode perder, em poucos minutos, o que levou meses para ganhar. Enquanto você fizer parte da humanidade e levar a vida comum, não importa tanto se você se mistura com as pessoas do mundo; mas se você quiser a vida divina, você terá que ser excessivamente escrupuloso em suas relações e seu ambiente.


A Mãe 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey