Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

Da turbulência à plenitude do Eu Real

Algumas vezes, em reação ao poder penetrante do seu próprio satsang, vivencia-se uma transferência de poder. Ocorre uma mudança do manual para o automático. O zíper do saco de dormir “eu” se abre;  a existência sai bocejando e se espreguiçando à medida que descobre novamente sua plenitude natural. Energias bloqueadas, como condicionamentos, hábitos, temores, apegos e desejos que já foram o tecido que mantinha unido seu senso de uma existência autônoma e independente se desembaraçam. Pode ser que lembranças e tendências dormentes se agravem. Você experienciará de uma forma completamente nova. Portanto, não é incomum que muita turbulência esteja presente por algum tempo. Deixe tudo acontecer. Evite tirar conclusões sobre qualquer coisa que perceba. Apenas permaneça quieto. Deixe acontecer. Resista à tendência de interpretar os eventos não faça julgamentos.

Por um tempo, talvez você sinta que a rotina de sua vida já não é mais rotina. Você poderá esquecer suas chaves, seu número de telefone, que ônibus tomar para casa e assim por diante. O pânico pode entrar em sua mente. Que sorte você estar em satsang, um ambiente onde você é lembrado de que está tudo bem. Você está na palma da mão de Deus, por isso não se preocupe com ter que cuidar de si mesmo. Você já fez isso por bastante tempo. Agora você está descobrindo como o universo cuida de você.

Pouco a pouco, você sentirá uma profunda paz interior que não é facilmente perturbada. Seus humores se acomodarão numa espécie de equilíbrio natural. Você reconhecerá, então, que ações e reações, com as quais anteriormente você se sentia profundamente envolvido, são percebidas nesse espaço de consciência com o qual você é uno, mas elas não o atingem. Há uma firmeza, uma profundidade nesse reconhecimento, e uma grande alegria surge sem motivo aparente.

Essa falta de estabilidade inicial no campo das experiências representa as dores do parto do seu renascimento nesse vazio. Deixe que essa revelação se manifeste até que se estabeleça. Não passa do som que uma garrafa faz quando você a lança ao mar: “blup, blup”. Uma vez que o ar termina de sair, ela fica totalmente parada e afunda. Sua mente é como essa garrafa. Inicialmente, faz o mesmo barulho até ficar parada. Por isso, não se incomode com essas coisas. Elas irão acontecer. Mesmo que você pense que está enlouquecendo. Isso também vai passar. São apenas bolhas borbulhando. Resista à tentação de formular conclusões. É a mente que está lutando para manter o controle. Vice tem vivido a vida como se a estivesse tocando por uma partitura. Agora que a partitura queimou, você precisa tocar a canção de sua vida de ouvido. Não depende de você se preocupar com como são as coisas. Poucas pessoas aguentam isso. Algumas voltam atrás e a mente espera ansiosamente recebê-las de volta. Mas no satsang você é encorajado a resistir a esse desconforto. É por um tempo limitado, apenas o tempo que o Ser precisa para pôr para fora energias velhas e bloqueadas. Uma limpeza geral interior está acontecendo. É um bom sinal


Mooji, Texto recebido via Facebook
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey