Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

O indivíduo é a chave do movimento evolucionário

É errado exigir que o indivíduo se subordine à comunidade ou se funda nela, porque é através de seus indivíduos mais avançados que a coletividade progride, e eles só podem realmente avançar se forem livres. Mas é verdade que, à medida que o indivíduo avança espiritualmente, ele se descobre cada vez mais unido com a coletividade e o Todo. 
O indivíduo é de fato a chave do movimento evolucionário; pois é o indivíduo que se encontra a si mesmo, que se torna consciente da Realidade. O movimento da coletividade é um movimento-em-massa grandemente subconsciente; ele tem que formular-se e expressar-se através dos indivíduos, para tornar-se consciente: sua consciência-massa geral é sempre menos evoluída que a consciência de seus indivíduos mais desenvolvidos, e ela progride na medida em que aceita o cunho deles ou desenvolve o que eles desenvolveram. O indivíduo não deve sua última obediência nem ao Estado, que é uma máquina, nem à comunidade, que é uma parte da vida, e não a vida toda: sua obediência deve ser à Verdade, ao Si, ao espírito, ao Divino, que está nele e em tudo; não subordinar-se ou perder-se na massa, mas descobrir e expressar essa verdade de ser em si mesmo e ajudar a comunidade e a humanidade em sua busca por sua própria verdade e plenitude de ser, deve ser seu real objetivo de existência. Mas o limite até o qual o poder da vida individual ou da Realidade espiritual dentro dela se torna operativo, depende do desenvolvimento do próprio indivíduo: enquanto for não-desenvolvido, ele tem que subordinar de muitas maneiras seu si não-desenvolvido ao que quer que seja maior do que esse si. À medida que se desenvolve, ele se move rumo a uma liberdade espiritual, mas esta liberdade não é algo inteiramente separado da existência-de-tudo; ela tem uma solidariedade com esta, porque esta também é o si,  o mesmo espírito. À medida em que ele se move rumo à liberdade espiritual, move-se também rumo à unidade espiritual. O homem espiritualmente realizado, o homem liberto, se preocupa, diz a Gita, com o bem de todos os seres; Buda, descobrindo o caminho do Nirvana, tem que voltar para abrir esse caminho àqueles que ainda estão sob a ilusão de seu ser construtivo em lugar de seu ser real — ou não-ser; Vivekananda, atraído pelo Absoluto, sente também o chamado da disfarçada Divindade na humanidade, e mais do que tudo o chamado do caído e do sofredor, o chamado do si para o si no corpo obscuro do universo. Para o indivíduo despertado, a realização de sua verdade de ser e sua libertação e perfeição interiores devem ser sua busca primeira — em primeiro lugar porque esse é o chamado do Espírito dentro dele, mas também porque é apenas pela libertação e perfeição e realização da verdade do ser que o homem pode chegar à verdade do viver. Também uma comunidade aperfeiçoada pode apenas existir pela perfeição de seus indivíduos, e a perfeição pode somente vir cada um descobrindo e afirmando na vida seu próprio ser espiritual, e todos descobrindo sua unidade espiritual e uma resultante unidade de vida. 

Sri Aurobindo em, A evolução Futura do Homem 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey