Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

Breve relato pela arte

"Não posso explicar o que vejo. A ninguém. É isto: estou escorregando silenciosamente para o fundo da água, para o medo... a náusea não está dentro de mim; eu a sinto LÁ, na parede, nos suspensórios, por toda parte à minha volta. Ela e o bar são uma coisa só; eu é que estou dentro dela... Quando a voz se elevou no silêncio, senti meu corpo se enrijecer, e a náusea desapareceu. De repente, era quase insuportável tornar-se assim tão rígido, tão rutilante... Eu estou DENTRO da música. Bolas de fogo giram nos espelhos, envoltas por anéis de fumaça... Olho para um banco e murmuro: é um banco... mas a palavra fica em meus lábios: recusa-se a ir pousar sobre a coisa... As coisas se libertaram de seus nomes. Estão lá, grotescas, obstinadas, enormes, parece ridículo chamá-las de bancos ou dizer seja lá o que for a respeito delas: estou no meio das coisas, coisas inomináveis...

Já não me lembrava mais de que era uma raiz. As palavras tinham-se evaporado e, com elas, o significado das coisas, sua utilidade, e os tênues pontos de referência que os homens lhes traçaram na superfície. Estava sentado... diante daquela massa negra e nodosa, totalmente bruta, que me dava medo... Perdi o folego. Jamais, até este últimos dias, eu entendera o significado da EXISTÊNCIA. Era como os outros.. Dizia, como eles: "O mar É verde, aquele ponto lá É uma gaivota", mas não sentia que essas coisas existiam... E, de repente, a existência se havia desvelado. Perdera seu aspecto inofensivo de categoria abstrata: ERA A PRÓPRIA SUBSTÂNCIA DAS COISAS; AQUELA RAIZ ESTAVA AMALGAMADA NA EXISTÊNCIA... Estes objetos, eles me incomodavam; teria preferido que existissem com menos força, de modo mais seco, mais abstrato..."

 Jean- Paul Satre em, O Diário de Antoine Roquentin, citado por Colin Wilson em, O Outsider - O drama moderno da alienação e da criação

Breve relato Alanis Morissette


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey