Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

O verdadeiro segredo da Divindade

Quando tua mente se torna tão silenciosa como a neblina ao por do sol, a Divindade te sussurrará ao ouvido seus mais profundo segredo: o Deus deste mundo encontra-se em teu interior e tu não o sabes. Nessas silenciosas ocasiões em que a mente se aquieta, o corpo se relaxa e o infinito e os sentidos se expandem até fundir-se com o mundo nesses surpreendentes instantes, a verdadeira natureza de tudo que é manifesto se revela com uma sutil luminosidade, uma radiante serenidade e uma transparência resplandecente que explode, agora igual como sempre, num Resplendor compassivo ante o que retrocedem todos os ídolos; um Amor tão apaixonado que abraça por igual a luz e a escuridão, o bem e o mal, o prazer e a dor, porque "Eu faço que a luz se derrame tanto sobre o bem como sobre o mal. Eu, o Senhor, faço todas as coisas", e um Calor tão intenso e ardente que fundirá teus ossos e te jogará ao solo sobrecarregado, suplicante, reverente e entregue. 

No mesmo instante em que te prostas diante desse Resplandor esmagado por uma Força que disgrega tua mente, teu corpo e teu ego, e os converte em microscópica e insubstancial poeira, escutarás um murmúrio audível apenas, como se uma formosa mulher sussurra-se teu nome na metade de uma noite resplandecente, iluminada pela lua prateada. Então descobrirás que estás ajoelhado diante de ti mesmo. Realmente não te recordas quem e que eras? Não disse São Clemente que quem se conhece a si mesmo conhece a Deus? 

Mais profundo que a natureza, mais profundo que o corpo, mais profundo que a mente e mais profundo ainda que todos os pensamentos juntos, o resplendor luminoso e tremulo irradia do Coração, se reflete em tua coroa e ilumina o universo inteiro. O verdadeiro segredo da Divindade sutil é que a luz do sol, das estrelas e da natureza provem diretamente de teu próprio Coração. Em certa ocasião, Wordsworth referiu-se a essa luz dizendo "Uma luz que procede de minha mente e que me outorga um novo esplendor ao por do sol", algo que só poderás ver nesses momentos silenciosos em que deixas de olhar para as sombras da caverna e diriges a tua atenção para a luz resplandescente que a tudo ilumina. 

As instruções para encontrar a Deus estão gravadas em teu Coração e são muito simples: relaxa tua mente e teu corpo; contempla com reverência e devoção o Coração e sente o resplendor amoroso e luminoso que impregna teu corpo, tua mente, a natureza e todas as nações. Uma Corrente de Compaixão Luminosa cria e sustenta o reino ordinário e manifesto, uma Corrente a que se conhece com os nomes mais diversos — Espírito Santo, Sambhogakaya, Saguna Bhaman, Arwah (ou  luminosidade divina), Keter, corpo sútil — mas que, em todos os casos, não é mais do que o som do pulsar de teu Coração marcando o ritmo da batida do Coração do Mundo. 

Não te comprometa apenas com o que tu goste, não selecione nem eleja, não negue que tu mesmo és o pai e a mãe de todos e cada um dos acontecimentos deste Cosmos que tu és.[...] 

Quando te elevares à altura de teu próprio Coração — no nível em que eu e tu somos um —, te darás conta de que este mundo é da natureza dos sonhos, a película de uma tela brilhante e trêmula que devemos aprender a levar cada vez menos a sério e a desfrutar enquanto discorre. Porém, antes de entrar nesse domínio deverás despojar-te de tua seriedade e deixá-la junto de teus sapatos, porque então estarás a ponto de entrar em solo sagrado. Prosta-te diante da Leviandade e o Humor que substitui a solenidade. Então o mundo inteiro começará a assumir uma transparência luminosa, os átomos da matéria se verão resplandecidos por uma luz e os dias e as noites desfilarão diante de ti como sonhos errantes, enquanto a atenção se movimenta gradualmente para o Sonhante Divino, teu próprio EU, resplandescente em meio a loucura. 

Segue te aprofundando, meu querido amigo, porque, assim como a natureza retrocede diante Deus, Deus também retrocede diante o Abismo. Todo o universo manifesto, tanto ordinário como sutil, e até Deus e a Divindade emergem de uma imensa Vacuidade, de um Infinito sem forma, da radiante Origem que constitui o Fundamento e a Meta de toda manifestação. Os grandes sábios do Oriente e do Ocidente sempre proclamaram, cada um com sua própria voz, que, mais além de Deus, se encontra a inqualificável Divindade. Não há nenhum modo de qualificar essa imensa Vacuidade (nem sequer assim) — posto que não é absoluta nem relativa, única nem múltipla, universal nem plural, boa nem má —, já que cada palavra tem um significado que depende de seu oposto e Isto, não é necessário dizer, carece de todo oposto. Pode ser sentido, mas jamais conhecido; é um clima, mas não um objeto; é a Libertação Infinita, a grande Libertação, a Plenitude radical que mora do outro lado do medo. É atemporal e, por conseguinte, infinita, e dá origem a todo espaço; carece de forma e, em consequência, é onipresente e cria todos os mundos, aqui e agora, Olhe! Olhe! Podes vê-Lo? Te asseguro que está mais próximo de ti do que tu mesmo, mais próximo de ti do que os sons de tua respiração! Aqui e agora está te olhando diretamente nos olhos. Não O vês?

Ken Wilber em, A Pura Consciência do Ser
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey